Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

2 de novembro de 2018

O que podemos aprender com funerais?

 | Morte não é um assunto interessante, mas é necessário refletir sobre ela. Muitas vezes somente diante dos funerais da vida que paramos para refletir e começamos a "contar nossas horas" com mais sabedoria.

O que podemos aprender com funerais?

Há pessoas que fogem de funerais. Tem horror a hospitais e contato com pessoas doentes, depressivas e tristes. Esta é a realidade mais dura da vida: o confronto com a miséria humana e com a morte, feliz ou infelizmente o destino de todos nós. Você pode passar a vida fugindo disso, mas sua hora chegará. Em algum momento será confrontado com seus maiores medos ou fugas. Mas o que enfim, podemos aprender com funerais?

Você pode passar a vida fugindo de compartilhar suas experiências com funerais como se essas fossem as menos interessantes, mas com certeza são as mais reflexivas e que te fazem "contar melhor as suas horas". Não vou alimentar muito esse assunto aqui, mas a pincelada de hoje preciso fazer. Eu escrevo, e preciso escrever sobre, do meu jeito.

O primeiro funeral que meu marido oficiou foi de um menino que morreu atropelado. Foi com certeza um dos mais difíceis. Além de ser o primeiro, recém-formado, ainda um fim trágico, de uma criança! Ele se imaginou como pai, quão torturador aquilo poderia ser. Eu poderia escolher não acompanhá-lo? Sim, mas naquela época, eu nunca considerei uma escolha e sim meu compromisso. O que eu falava? Nada. Acompanhando os cantos no templo e no cemitério, já que nessas horas são poucos que conseguem fazê-lo sem se emocionar. A música é calmante para alma, sem ela, a experiência da morte é muito mais fria. Quem está ali, em luto, pouco ouve, geralmente se emociona. Algumas palavras do pastor e dos amigos são guardadas. O que conta é o presente da presença e do abraço.

Lembro das pessoas que passaram pelo funeral do meu pai, dos amigos de longe que vieram, das que me abraçaram, das que não foram e não me abraçaram (sem mágoas), mas me lembro vagamente do que ouvi naquele dia. Da mensagem e dos cantos. No meu momento de estar de luto eu só pensava em ser forte pela minha mãe, e do fato de agora meu pai não estar mais ali entre nós. Refleti muito, durante e depois. Meu luto foi adiado e sentido por muitos meses subsequentes, cada vez que voltava a minha casa e não encontrava mais meu pai ali.

Voltando aos funerais da vida, sentia que minha missão era estar do seu lado, e percebia que tinha cumprido bem ela quando meu marido me abraçava e agradecia por ter sido seu apoio, sua força, somente com minha presença ali do seu lado. Ninguém imagina, nem eu, o que é conduzir um momento assim, sendo forte, enquanto a emoção fala mais alto que qualquer outra coisa, porque ele se envolve com as pessoas, é seu conselheiro! É pura força de Deus.

A morte nos confronta sobre como estamos levando a nossa vida. Se queremos viver com Deus aqui e na eternidade, e o que estamos fazendo com nossa vida espiritual. Como estamos vivendo o amor ao próximo: só de palavras, ou com atitudes? Eu não gosto de funerais, mas Deus quer nos ensinar através deles. Chamando pessoas para junto dele (ou não), pois é assim que segue a vida. As palavras do pastor não são para a pessoa que se foi, e ali só está de corpo mortal, mas para os vivos.

Todos os dias me deparo com amigos perdendo amigos, parentes, colegas, conhecidos. Sofrendo por, em luto, ou simplesmente fugindo dele, não é preciso dar mais detalhes. Isso é tão normal como a noite segue ao dia, e nunca saberemos quem era o próximo, e quando chegará a nossa hora. Toda hora é hora de estar preparado, confiando na salvação em Cristo, vivendo a fé cristã com atitudes, não somente de palavras.


Queria ser a presença ao seu lado que faz a diferença. A amiga que traz uma mensagem de consolo e de conforto cristão, pois não há verdadeiro consolo noutra pregação. Queria que ouvissem meu marido e que Deus os consolasse com suas palavras. Por isso o convidei para gravamos o vídeo 7 coisas que talvez você não saiba sobre luto, Sinta meu abraço. Que Deus, com a mensagem da ressurreição dos mortos e do Cristo crucificado e o tempo, possam cicatrizar todas as feridas. As marcas ficarão, para te tornar mais forte. Em Cristo, que quer ser presença constante em nosso viver e nos dar a verdadeira paz, aqui e na eternidade.

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

❤ GOSTOU DESTE CONTEÚDO? COMPARTILHE!