6 de outubro de 2017

10 lições que podemos aprender com a história "Como eu era antes de você"

Uma reflexão sobre "Como eu era antes de você" como você nunca leu antes: porque só escrevi esse texto agora há pouco mesmo.

De repente caiu nas minhas mãos o livro Como eu era antes de você. Devorei o livro, e nunca chorei tanto ao ler um livro. Chorei muito mais ao ler o livro do que ao assistir o filme, que fiz depois. Ele é um drama do qual muitas pessoas se afastam para não se deixarem influenciar, mas ele ensina muitas coisas legais. É melação? Muito mais sério e vida real. É inteligente. Não é sábio, pois não sei até que ponto podemos escolher tirar a própria vida, por não conseguirmos mais ser o que éramos antes. O mais triste creio não ser o Will versão cadeira de rodas, mas a ilusão e fantasia que Lou constrói e o luto que ela passa a sentir a partir do momento que descobre que a vida de Will está prestes a terminar. Ele não lhe dá chance alguma, nem de conversar sobre, nem de se explicar, nem de abrir o seu coração. Nem de ouvir suas razões, pois a explicação que recebe é muito superficial. Enfim, entre tantos fatos não ditos, e verdades escondidas, que só virão a tona quando ele se for... listei 10 lições que podemos tirar com esta linda história. Adianto que este post tem spoilers de frases do livro e do filme.

10 lições que podemos aprender com a história "Como eu era antes de você"


Você pode estar pensando "Lá vem a Edel dar uma de romântica", ao ler este título aí em cima, sobre a história "Como eu era antes de você", mas não é não. Se descrevesse minha percepção mais profunda você somente diria "quanta imaginação tem nessa cabecinha", e com certeza se assustaria com minhas correlações dramáticas, tanto porque, cada forma de olhar e entender uma situação é bastante pessoal. Porém estas 10 lições creio que por mais clichês que sejam, precisamos ser mais chichês às vezes, para viver melhor. Tenho certeza de que com muitas delas irá concordar comigo, e se discordar, tudo bem também. A proposta aqui é sempre "fazer pensar", e três pontos... Esse é o típico texto para o Fred citar no canal dele ironicamente como "olha que texto maravilhoso sobre 10 lições para... blábláblá..." e desmistificar cada parágrafo. Bora lá!


Lição 1 - Não é possível ajudar quem não quer ser ajudado.

É muito triste quando uma pessoa se fecha, se considera autosuficiente, não consegue e nem pode confiar em ninguém para partilhar seus problemas. Tá certo que o problema do cara era um baita problemão, mas exite probleminha e problemão? Existem consequências de atitudes, de fatalidades, de acontecimentos, algumas irreversíveis. Porém explodir e não partilhar angústias, como se fosse o "Homem de Ferro" ou a "Mulher Maravilha", é um tanto... triste. Mais triste do que o problema em si, pois afeta muitas pessoas a sua volta. As decisões que se seguem deste "não quero ajuda" nem sempre são as mais sensatas.

Lição 2 - Não fale de coisas ruins mas de coisas boas e legais.

Mesmo precisando pedir ajuda às vezes, como descrevi na lição 1, ninguém é o bom samaritano para estar ajudando o tempo todo, é preciso bom senso, né?! Se a pessoa já está mal, e pede para falar de coisas legais, vamos falar de coisas legais, não de mais problemas. A vida seria bem melhor e diferente se conseguíssemos ser mais assim. Dores se curam com alegria, não com mais tristeza. São esses os melhores momentos da vida: quando conseguimos ser felizes em meio ao caos, sabendo que todo caos nessa vida tem solução, somente a morte que não.


Lição 3 - Pessoas de gênio difícil enfrentamos não com o silêncio mas com gênio difícil na mesma medida.

Quem só sabe ser grosseiro, se tratado na mesma grosseria, pode acabar se tornando mais sociável. Há quem aguente ser "saco de pancadas", mas o grosseiro nesse sentido continuará sendo grosseiro na mesma medida. Isso é como um aletra: "Ei, ninguém vai me enfrentar? Ninguém vai reparar em mim?" Uma vez enfrentado, ganha-se o respeito dessa pessoa que o enfrenta e encosta contra a parede. Opostos se atraem, semelhantes competem. Será assim? Semelhantes competem e também se atraem, mudando, com dificuldade seu jeito de ser. Porque somos de certa forma influentes um diante do outro. Simples assim.

Lição 4 - Amplie seus horizontes para viver plenamente.

A vida é mais do que o bairro ou a cidade onde você mora. Óbvio. A vida é mais do que os conhecimentos que você gosta e das áreas que te fascinam. Tem gente fazendo muito diferente lá fora, e muito igual também, pois nada se cria, tudo se copia, nem que de sites gringos e celebridades internacionais. Olhar além para identificar novas possibilidades é... digamos assim, básico. Outra frase parecida com essa "Viva intensamente, supere seus limites, não se acomode.", eis ainda mais clichê de todas. Viver intensamente pode significar viver feliz na simplicidade? Vida simples é vida acomodada? Abrir os horizontes pode ser conhecer e imaginar outras possibilidades e escolher viver segundo seus valores, mesmo que eles pareçam caretas, antiquados, antigos, ultrapassados? O que pode-se entender é que um viver atormentado pelo passado e com receio do futuro não é um "viver plenamente".

Lição 5 - Nada vai me fazer mudar de ideia.

Não há nem o que comentar dessa lição, pessoas obstinadas não mudam de ideia. Será como eu quero, ou não será de jeito nenhum. Basta eu querer. Se eu quiser, assim será. Galera obstinada aí, é assim ou não é?! A ideia muda se eu quiser que mude. Se eu considerar que o que achava não era bem assim, mas assado, se eu me enganei com alguma coisa, mas tudo baseado no EU. A teimosia quebrada nos surpreende às vezes e gritamos bem assim: "Que loucura, porque você não obrigou a fazer isso antes?!", como Lou depois do mergulho. Quantas oportunidades perdemos pela falta de coragem em simplesmente ir, e por considerarmos... nada a ver.

Lição 6 - Eu me tornei uma nova pessoa por causa de você.

Pessoas não mudam pessoas, pessoas são influenciadas umas pelas outras e mudam se elas quiserem e se permitirem mudar. Não consideremos somente amores, mas parcerias, amizades, filhos... a convivência nos transforma e nos torna melhores. Ou piores. Depende de nossas influências. Mudamos quando nos permitimos mudar e cansamos de ser inúteis.

Lição 7 - Entreguei meu coração a você e sua resposta é não?!

Sinceramente o coração não deveríamos entregar a ninguém, mas deixá-lo bem na dele, batendo no peito, e nos permitindo viver. Lugar de coração é ali. Entregar sentimentos e vontades nas entrelinhas é subjetivo e mesmo que digam que amor não se define, se vive, acho que é bem isso mesmo. Amor é subjetivo. Palavras são reais e expressam aprovação ou reprovação. Entendamo-nos ou afastemo-nos com elas.

Lição 8 - Você está marcada em meu coração. 

Será que os homens são assim? Só conseguem falar alguma coisa bonita depois que a vida termina, por escrito numa carta, ou quando o romance já passou? Com certeza Lou e toda ala feminina esperou ansiosamente que Will dissesse alguma coisa - desembucha cara! - e o bendito deixou as melhores partes para a carta. É bom ouvir que é especial, importante, e mais o que desejar dizer de sua amada(o), enquanto se vive ali, o romance que for. Depois dizer o que era ou o que foi, acho que perde um pouco o sentido. Tipo, e daí? Passou. Fui importante? Legal. Mas você me disse egoisticamente e sem dar brechas ao diálogo um belo Não.

Lição 9 - Você é a única coisa que me faz levantar da cama todos os dias.

Perigoso dizer isso, colocar essa responsabilidade pelo sentido da própria existência sobre uma pessoa. Isso é fachada, não é real, é ilusão. Se você levantar da cama todos os dias feliz pelas coisas que irá fazer, porque sua vida e seu trabalho fazem sentido para você, ok! É "romântico" pelo contexto da história, e totalmente compreensível, mas não vale considerar essa frase romântica de forma clichê na vida real, onde pessoas vem e vão, e mal conseguem passar tempo juntos, pois o que uma frase dessas denota é "dependência" e não romantismo. A vida não pulsa por outra pessoa. A vida pulsa por si própria.

Lição 10 - Não pense muito em mim, não quero que fique triste. Apenas viva bem, apenas viva.

A frase que conclui a história é uma das mais interessantes, e permite tantas interpretações... pensemos aqui que é muito fácil dizer isso, muito lindo, maravilhoso! Será que viver esse conselho é fácil? Com esse "Apenas viva bem, apenas viva." martelando uma história que se foi, que acabou, que ficou lá atrás, mas não sai do seu pensamento e do seu coração? Coloco-me no lugar de Lou, e sinceramente, pode soar um consolo, um bom conselho, e também uma tortura, permitir que esse mantra a acompanhe por onde quer que ela for. Pensemos então que deveria soar como uma frase de independência: "Pense noutra coisa, vá viver a sua vida, sem mim. Seja independente. Seja livre. Seja você." Então fará sentido: apenas viva bem, apenas viva!

 Trecho do livro Como eu era antes de você
Eu não sabia que a música era capaz de fazer com que coisas novas surgissem dentro da gente e de nos levar a lugares que nem o compositor imaginou.

Eu já sabia! Ler uma obra te faz viajar de uma maneira muito mais incrível que assistir a um filme. Isso você também talvez já saiba!

Poderia escrever muito mais, que obra-prima! Como esse livro me inspirou! Quando comecei a ouvir sobre ele já pensei - esse é O Sr. Livro,  a Sra. História. Realmente foi, para mim foi.  E você, já leu o livro e/ou assistiu o filme? Que impressão teve? Registra aqui para a gente conhecer!

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

GOSTOU DESTE CONTEÚDO? COMPARTILHE!