23 de abril de 2017

13 Reasons Why: Não seja o porquê de você mesmo

O post de hoje não é uma resenha, mas uma reflexão que despertou em mim ao assistir alguns vídeos de youtubers e ler textos de blogueiros se manifestando sobre a mais nova série do Netflix "13 Reasons Why", delatando os seus porquês, de não ser o porquê de alguém e da fase chata que muitas vezes é estar na escola, no colégio, até enfim, concluir o Ensino Médio. Somam-se os comentários desanimados de seguidores solitários dando força e mergulhando no fundo do MAR, todos se compadecendo da pobre Hannah. 13 Reasons Why: a série que está comovendo o mundo.


13 reasons why


A fase do Ensino Médio é chata para quem sente insegurança, não consegue se enturmar, se acha complexada(o) por algum motivo, e dá uma importância exagerada a um "defeito" que não deveria dar importância mas ninguém nunca te disse isso. Defeito que não é defeito, mas um jeito de viver e encarar o mundo que vai mudar lá na frente. Ouvi muita besteira de professores e colegas. Uma fase chata para quase todo mundo, e também me incluo nesse quase.

Sempre ouvi que era uma menina inteligente, nerd e CDF dos colegas mais carinhosos. Afinal é bom ou ruim ser nerd e CDF? Estudiosa e dedicada? Parecia algo ruim, não algo bom. Não lembro de nenhuma vez terem me chamado de linda, nem de ter sido a mais popular entre os meninos, só a magrela, alta e inteligente. Com minha cara séria e azeda com certeza espantava todos eles, e no fundo talvez quisesse espantar mesmo, porque os mais novos e da mesma idade sempre foram uns babacas. Perdoem-me amigos, mas naquela idade, os interessantes eram os mais velhos. Com os quais a gente não conversava por nos acharem muito pirralhas para eles.

Assim eu vivi por muitos anos nutrindo a característica tímida, não sabe falar, aquela, de todas versões anteriores da Edel. Até mesmo na família era difícil se expressar, e passava por "bicho do mato".

Quem chegou na minha vida e me fez soltar o verbo foi o Jackson. E olha que ele já ouviu coisas a meu respeito. O casamento é incrível por causa disso: a entrega é tudo ou nada. Ou aceita os defeitos de fabricação e também dotes maravilhosos ou fica sem nada. Eu não tive escolha, pois ele me escolheu. Já fazem 19 anos.

Uma vez comprei um livro para ler e me curar da timidez. Descobri exatamente o que escrevi lá em cima: dava um valor demasiadamente alto para algo que eu achava que os outros estavam pensando de mim. "Ela é tímida, não sabe falar. Mas escreve muito bem." Quando parei de acreditar nessa mentira, e vi que a timidez era medo do novo, medo de falar a verdade, medo de mim mesma, medo das minhas próprias verdades, medo... o que é o medo?! É a vontade de se jogar, e retroceder por achar que ainda não é hora.

Levei anos para mudar. A faculdade, o trabalho, a pós, o fato de estar mais exposta como esposa de pastor, querendo ou não, te joga no fogo. No começo meu marido falava por mim, e eu deixava, mesmo indignada. Hoje eu falo por ele... que nada. Talvez eu tente, mas ele se impõe. Tive um filho lindo que saiu a minha cara mas o jeito falante e comunicativo do pai. Oras, se um pirralho de 3 anos consegue, eu com 33 não hei de conseguir? Foi o Guilherme que me disse, quando voltei da minha primeira POB, e lhe perguntei o que a mamãe faz?! "É Personal Organizer". Ele mal sabia falar direito o próprio nome. E reconhecia algo que eu não conseguia dizer direito, com toda confiança.

Timidez é uma desculpa que damos para não metermos a cara, falar o que tem de ser falado, por medo do que os outros vão pensar. Timidez é uma desculpa que damos para nos esconder de nós mesmos, e por que sim, é mais fácil ficar calado e não incomodar ninguém. Mas é destruidor demais incomodar a nós mesmos, e não podemos ser escravos de nossos próprios porquês! Se o marido não quer, o filho não deixa, a mãe não sabe, você decide o que?! Se o que você quer faz sentido, trará um bom resultado e te fará feliz: faça acontecer! Um dia eles entenderão.

Cansei de me fazer de vítima, sabe. Das circunstâncias, do ambiente, das oportunidades. Cansei de por a culpa nos pais, na família, nos amigos, no marido, nos filhos, nas cidades, no vento, na maré, em Deus. Chega disso.

Alguém falou certa vez, se você souber quem me avise para dar os créditos, que o milho para virar pipoca precisa passar pelo fogo, para então se tornar pipoca. E a gente para virar "gente grande" também precisa passar por toda sorte de cruzes, obstáculos e montanhas, para virar "gente grande".

Acho que não adianta a gente ficar remoendo o que ouviu de m... (pra não falar palavrão) nessa vida, ou que coisas horríveis sofremos e impactaram em nossa personalidade, tipo num confronto pra medir forças e dizer "Viu? Tá vencida pessoa x. EU sou vitoriosa.". Precisamos disso?!

Todo mundo passará por suas cruzes, sejam elas leves, pesadas, finas, grossas, maiores ou menores. Talvez sintamos que essa cruz pese mais na infância, na adolescência, na vida adulta ou até na velhice. Talvez nos tornemos amargos com o chegar da idade, ao ver que a vida passou e deixamos ela passar pelos dedos como areia, sem ter feito o que queríamos fazer. Talvez continuemos revivendo nossos medos e angústias, remoendo fatos passados ou aflitos com o dia de amanhã, sendo que para cada novo dia já bastam suas próprias preocupações, já dizia Jesus.

Não termos amigos é um fato: quem podemos considerar verdadeiramente nosso melhor amigo e confiar, para contar tudo, tudo mesmo?! Sou abençoada por ter esse amigo comigo há mais de 19 anos, e ele ser meu marido, mas e se um dia ele faltar? Não sei. Talvez você não tenha esse amigo, mas também pouco se importe em ser esse amigo de alguém.

Então, comecei a assistir a famosa série, mas é pesada, deprimente. Faz qualquer um remoer um passado que gostaria mesmo é de esquecer. Não deveria nem me manifestar ainda sem ter assistido tudo, mas talvez eu seja como o Clay, querendo mudar o rumo da história.

Talvez minha opinião mude, e tenha entendido tudo errado até agora, mas uma coisa eu tenho bem clara: não devemos esquentar a cabeça para procurar nosssos "13 porquês", ou em ser o porquê de alguém, no sentido negativo ou pejorativo da coisa. Mas sim em ser o porquê do bem, da razão da alegria na vida do seu próximo mais próximo, por levar a ele o mesmo amor que Jesus teve por você. É por esse amor que nossa vida tem sentido. Pelo menos vale tentar. Um amor que fala, que incentiva, que faz, que está presente, que se dá como presente. É de um pouco de amor que precisa esse caos da humanidade.

Especialmente não se deixe destruir por você mesmo, pelos seus preconceitos, pelo seus maus pensamentos. Ninguém tem maior poder do que você mesmo para mudar esse cenário. Se essa mudança inclui pedir ajuda, peça. Faz parte, precisamos uns dos outros. Se lhe negam ajuda, talvez esteja buscando no lugar errado. Sofra, mas nenhum porquê justifica tirar a sua vida. Lembre-se que vai passar e você virará "pipoca", dando sabor a sua vida e a de quem está a sua volta. Seja a transformação que você deseja no mundo.

EDEL 💋
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

GOSTOU DESTE CONTEÚDO? COMPARTILHE!