22 de fevereiro de 2018

DIY - Prateleiras para a nova despensa

Neste DIY mega especial (em simplicidade, criatividade e sustentabilidade) construí uma mini-estante com prateleiras de madeira para a minha nova despensa, vejam só que evolução! Mini estante para a nova despensa com restos de madeira, parafusos, apetrechos de DIY e muita vontade de colocar a mão na massa e ordem na despensa! Fiquei muito contente com o resultado, pois as latinhas ficaram organizadas de maneira muito mais prática! No vídeo eu conto direitinho o passo a passo de como fiz, lá pela metade do projeto o maridão teve de dar umas ideias e uma ajudinha, mas dá para afirmar com segurança fiz ele quase 99% sozinha! Fiquei bem orgulhosa, e não dá para esconder não... confira você mesmo!

DIY - Prateleiras para nova despensa


20 de fevereiro de 2018

7 coisas que faria se este fosse o último mês da minha vida!

Décimo Segundo e último Post do Desafio Pintando o 7 com TE da série de 12 posts, durante 12 meses. Refletindo sobre 7 coisas que faria se este fosse o último mês da minha vida! O desafio para mim acabou com o post de hoje, se quiser conhecer minha proposta, e começar o seu a partir de agora, fique a vontade!

7 coisas que faria se este fosse o último mês da minha vida!

Confessarei para vocês agora: esse desafio do #pintandoo7comte não é pra qualquer um não. É preciso coragem. Fiquei muito feliz que a Alice Santos da Avesso do Caos, foi corajosa comigo nessa, e mês após mês foi seguindo o roteiro dos desafios, obrigada amiga! Não fiquei só. Talvez você tenha refletido sobre e escrito somente para você. Ou tenha achado uma loucura toda essa história de se limitar a sete, porque fácil realmente não é. Poderíamos ter escrito menos ou mais, como a Alice fez às vezes. O número 7 é apenas um número.

Uma lição que aprendi analisando números ultimamente é que "números são somente números", qualidade não se mede em alguns termos quantitativos, mesmo que essa seja a moeda que tenha valor em nossas trocas reais e virtuais... Os números nos deixam estupefatos, perplexos, eufóricos e profundamente indignados. Então f... os números, pois números nem sempre revelam a qualidade que está por trás deles e chega de desabafar sobre números.

Agora vamos às 7 coisas que eu faria se esse fosse o último mês da minha vida... se quiser uma trilha sonora ao ler o post dá um play na música I can't make you love me e boa reflexão!




1 # Passaria mais tempo de qualidade com os amores da minha vida. 
Sei que a blogueira/vlogueira sou eu mas eles são fissurados em tecnologia mais do que eu, e isso às vezes me deixa com ciuminho e de bico. Sim. É preciso ceder para ficarmos bem. Inventaria programas e motivos para ficar mais próxima das pessoas que amo e que fazem a diferença na minha vida. Mesmo que sejam apaixonados por Netflix, YouTube, vídeo game, jogos no celular e computador. Quem sabe alguns desses programas teriam que ter a ver com tecnologia! Pronto! Fechou!

2 # Estaria mais presente na vida real e mais "ausente" do mundo virtual. 
Sou muito imaginativa, consigo sonhar com situações que desejo que acontecessem, de tanto que às vezes penso nelas. Algumas coisas são frustrantes, inalcançáveis e às vezes passam a não mais fazer sentido. Muitas coisas nessa "nuvem" são mentira, ilusão, e ficam escondidas. Quando conseguimos sacar o oculto, perceber as imperfeições desse "mundo perfeito", a casa cai. Na vida real também é assim, mas se apegar a esse mundo subjetivo que ora existe ora desaparece é loucura. Melhor é curtir cada dia com seus sabores e dissabores. Isso é vida real, e nunca, por mais que se compartilhe acontecimentos, será possível flagrar tudo no nosso dia a dia organizado e bagunçado. Nem é o objetivo. Talvez a ideia seja distrair e passar o tempo com coisas legais. Só isso, e simplesmente é algo que basta por si só. Passatempo, ou trabalho, pois de alguma forma estamos ligados a ele pela internet.

3 # Escreveria cartas de agradecimento para pessoas especiais que significaram muito para mim. 
No estilo antigo, carta de papel talvez, dentro de uma garrafa, bem como eu fiz para o Jack em dezembro, sem intuito de "aparecer" com lindos depoimentos de internet que nunca se sabe até que ponto são verdadeiros e realmente reais, com todo o respeito. Gratidão se sente, num beijo, num abraço, numa palavra amiga, num olhar. As palavras só complementam esse agradecimento.

4 # Escreveria e falaria tudo o que sempre quis escrever e falar mas sempre me reprimi.
Não teria mais nada a perder. Se agradasse ou não agradasse, isso pouco importaria. Se viesse algum reconhecimento depois, de que valeria? Bom senso, sempre o bom senso. Verdade, pelo menos a verdade. Autenticidade, sem lerolero. Ah, em quem afinal é possível acreditar?! Escreveria muito e tantas reflexões e escritos renderiam talvez alguns vídeos. Que tal, eu também trabalharia nesse último mês!

5 # Curtiria meus espaços sem aquela ânsia de ficar mudando tudo, repintando, redecorando, mexendo e remexendo. 
A fase de "euforia transformacional" enfim passou. Cada macaco no seu galho. Cada coisa em seu lugar. Mudanças no ambiente realmente refletem uma ânsia de mudar e transformar além dos espaços. Porém falta coragem. Ou um empurrão. Ou esclarecimento sobre o que mudar. Medo de errar. De dizer ou escrever besteira. Pouco tempo se tira para pensar e refletir na vida. Sempre gostei de paz e calmaria, o que muitos chamariam de vida pacata. Quem me conhece sabe que de pacata não tenho nada. Porém sob pressão me angustio, fico ansiosa, passo mal, e me acabo em todos os sentidos. Saúde é estar em paz. DIY é bom, faz parte, mas é preciso saber curtir também.

6 # Tiraria tempo para ler mais, assistir filmes, escrever sobre as conclusões conclusivas e refletir sobre a vida. 
Assim meus dias terminariam mais felizes. Perceberia que os maiores sonhos já realizei e estão ao meu lado. Que de nada adianta ganhar e conquistar o mundo, e perdê-los pelo caminho, achar que realizei pouco, ou que o melhor sempre está por vir. Desejamos sempre o melhor, sim. Nem por isso o hoje não é bom o suficiente. Fases boas e nem tão boas assim estão por vir, e assim segue a vida. Cada uma com seus altos e baixos.

7 # Onde está Deus em tudo isso? Pois é, com ele que desejo me encontrar depois, pessoalmente. 
Tiraria tempo para conversar com meu Pai de Amor, e refletir sobre minha vida. Agradecer por tudo o que vivi, pelas alegrias e tristezas que passei, e por ele sempre ter me carregado no colo nos piores momentos. Por ter amenizado tantas dores, e ter me feito crescer em tantas outras. Por ter transformando o mal em bem em muitas situações da minha vida. Por ter me ensinado a falar, do jeito mais difícil que poderia esperar, por um motivo que só ele entende qual é e não faço questão de entender, acho melhor assim, não é preciso entender tudo. Não se pode partir sem antes ter cumprido sua missão, uma hora a ficha tem de cair. Oraria muito e pediria para ficar comigo. Para que me deixasse tranquila, em paz e em segurança. O mesmo desejaria para os que ficassem, e sentissem a minha falta.

Ufa! Enfim chegamos ao fim do desafio! Se você quer me conhecer melhor é só espiar o que rolou aqui no blog nessa tag nos últimos 12 meses. Foi um desafio e tanto, e um super exercício de autoconhecimento! Sei que a tag de hoje que finaliza essa saga tá bem "negra"... mas vale para pensar! O que te faz feliz? O que você gostaria de fazer para sempre se pudesse? O que dá sentido e cor para a sua vida? Enfim... eis o fim!

FIM

19 de fevereiro de 2018

1º Encontro de Personal Organizers do Interior do PR

Quem disse que organização é só para grandes capitais? Quem disse que no interior as pessoas não precisam de casas práticas e funcionais, vida organizada, qualidade de vida e tempo para o que realmente importa? Precisamos sim, por isso estamos aqui, difundindo a profissão, fazendo acontecer, cada uma no seu cantinho, do seu jeitinho!

Para mostrar nossa força e potencial, que no interior também podemos trabalhar com Organização Profissional, está vindo aí um encontro muito especial!

1º Encontro de Personal Organizers do Interior do PR

Por iniciativa da Personal Organizer Francynara Franck, de Cascavel, acontecerá no próximo dia 3 de março, sábado, o nosso 1º Encontro de Personal Organizers do Interior do PR!!!! Uau! Digo nosso, pois a ideia teve um engajamento muito legal (e organizado!) no grupo do WhatsApp, e na verdade é nossa participação que fará dele um sucesso! Conforme Fran me repassou, já estão confirmadas presenças de Personal Organizers das seguintes cidades: Cascavel, Pato Branco, Foz do Iguaçu, e Marechal Cândido Rondon (eu, né!)!!! Pelo grupo percebi que temos profissionais também em Toledo (veja só!), e temos muitos leitores de lá aqui no blog!

A proposta do encontro é informal, onde o objetivo é nos conhecermos, nos revermos (quem já se conhece!), trocar experiências sobre como trabalha na cidade onde mora, se oferece algum produto, se faz algum trabalho diferente (eu de novo...), e por aí vai! Se você tá na dúvida em ir ou não ir, espia só o local do encontro... não é puro encanto?! Gente, fiquei apaixonada, porque você sabe, né, quem não curte um espaço com um tok de decoração super especial!? É pra se sentir bem só de olhar, imagine tomando um cappuccino, e ainda conversando sobre organização?! Perfeito!


Puxa, fiquei muito feliz quando fiquei sabendo, agora esse encontro vai rolar! Então, quis compartilhar esse evento organizado que vem aí, e esperamos que seja muito especial! Você é Personal Organizer do interior do Paraná? Então faça um esforcinho para não perder essa! Será muito legal! Quero te conhecer lá no encontro! E rever as meninas conhecidas, porque já faz tempo, hein?!

18 de fevereiro de 2018

Tok 7 # Organize as Prateleiras | Desafio 52 toks de organização e decor

Desafio 52 toks de organização e decor: um projeto para inspirar, num mix equilibrado de teoria e ação! 52 toks para você mudar a sua vida! Se está chegando no blog agora, não pegue o trem andando, confira o post introdutório a série que está em andamento desde 1º de janeiro de 2018, e vamos juntos nessa!

52 toks de organização e decor é para pessoas autodidatas, inteligentes e espertas, que sabem o preciso valor do tempo, que buscam qualidade de vida e tranquilidade em meio ao caos da correria diária e que reconhecem que só com a organização é que conseguirão fazer acontecer tudo isso e viver mais felizes! 

Tok 7 # Organize as Prateleiras | Desafio 52 toks de organização e decor



TOK 7 # ORGANIZE AS PRATELEIRAS!

Você pode guardar muitas peças nas prateleiras, além das camisetas que detalhei especialmente no tok 6 (se você perdeu espia lá!), como: calças, pijamas, blusinhas, shorts, leggings, agasalhos, calças moletom, blusas moletom, blusões, casacos, enfim, quase tudo! No desafio desta semana vou reunir dicas para você guardar melhor estas peças aí no seu guarda-roupa, espero que alguma seja certeira e possa te ajudar! Lembre sempre da premissa: Destralhe, mantenha o que você ama e gosta de usar, o que tem a ver com você! Bora lá conferir mais dicas sobre dobras de roupas que ainda não apareceram por aqui! Uma alternativa que adotei no meu guarda-roupa foi improvisar gavetas nas prateleiras para otimizar o espaço e ter mais espaço para cabides! Se decidir adotar o formato de pilhas, as mais baixas facilitam manter as peças dobradas sem cair tudo quando pegar uma peça que está mais embaixo. Tudo isso você confere neste vídeo super legal, corre dar o play!

Tok 7 # Organize as Prateleiras | Desafio 52 toks de organização e decor

15 de fevereiro de 2018

Resenha Batedeira Orbital Cadence Linha Colors

Enfim chegou o grande dia de contar para vocês um pouco sobre a minha experiência com a Batedeira Orbital Cadence Linha Colors! Já pude utilizar bastante ela, fazer muitas receitas, engordar uns kilinhos com tanta coisa gostosa (rs...), e ainda estou numa fase apaixonada para fazer meu relato: estou amando utilizar a batedeira nas minhas receitas! Ela é maravilhosa! No vídeo eu mostro os detalhes que achei mais interessantes, que são os 3 batedores (para massas leves, médias e pesadas), a tampa (eu tenho uma batedeira com tampa!) - não sabia que isso era possível, e o design do produto que é lindo que só! Não só lindo, prático e funcional também! Dá logo um clique no vídeo e no botão curtir, (pois isso ajuda muito!), e assista o vídeo até no final, pois tenho certeza de que você irá gostar! Depois compartilhe o vídeo com a mulherada amiga!

Resenha Batedeira Orbital Cadence Linha Colors

13 de fevereiro de 2018

10 lições que aprendi com a história ou trilogia "50 tons"

Cinquenta tons de cinza, Cinquenta tons mais escuros e Cinquenta tons de liberdade: um texto para você refletir sobre algumas questões da trilogia!

Li dois deles. O terceiro comecei mas não tive paciência para conhecer e imaginar o final perfeito. Os filmes assisti os três. Para quem leu o livro antes... o primeiro filme foi decepção. O segundo foi muito mel. O terceiro... chegou numa "perfeição" tão grande que começou a enjoar. Já começou no segundo filme.

Quantas(os) leram, assistiram e fizeram de conta, como eu, de que não sabiam o que estava acontecendo? Que livro? Filme? Seria um conto erótico abominável, ou um romance moderno clichê e perfeitinho? 

Para quem entendeu a história completamente com todos seus detalhes (precisa entender?!), que só quem lê o livro pode ter... entendeu que não passa de uma história de amor, à primeira vista caliente e que desperta fantasias e depois do meio da história que começa a dar náuseas, de tão sem graça e vazia que se torna.

Quem entende mais a fundo do assunto deve ter rolado de rir com as más interpretações do enredo, pois nem o livro nem o filme retratam o que é realmente o sadomasoquismo. Nem eu sei nem quero saber, mas pesquise um pouco e entenderás. Esse é o tipo mal desnecessário que é melhor manter distância. Sem contar as muitas críticas que rolaram por aí afirmando que foi uma história bem, mas muito bem "mal escrita".

Como não tinha até há pouco tempo o costume de expor minha humilde opinião sobre muitas coisas, preferi deixar passar a febre. Queria deixar rolar o terceiro filme, conhecer o final da história, que de romantiquinha não percebi muita coisa. Comecei a gravar um Fala Edel, pois pensei que ficaria melhor do que escrever, porém não fluiu tanto como o texto escrito. Não vale a pena dedicar um vídeo a esse tema, concluí, não nesses moldes, nem um post a cada livro, já que é um combo, e uma história dividida em 3 partes. Então, vamos lá, às "10 lições que aprendi com a história ou trilogia de 50 tons". Para evidenciar a imperfeição  da vida real, os livros da imagem não estão na ordem da saga.

10 lições que aprendi com a história ou trilogia 50 tons


Lição 1 | Príncipe encantado rico, inteligente e bom de cama não existe.

Só num mundo surreal onde também existe papai noel, coelhinho da Páscoa e fada madrinha. Tem a parte controlador, chato, ranzinza, ciumento, possessivo que fica abafado na história, e só quem tem uma pessoa assim do lado é que pode dizer como é. Sempre tem os dois lados da moeda, e um não é como o outro. As qualidades falarem mais alto do que qualquer defeito é totalmente conversa apaixonada. Às vezes os defeitos sobressaem, e é a pessoa do lado que sofrerá as consequências de suas escolhas. Bem vindos a vida real!

Lição 2 | O amor não transforma tão rapidamente a vida de uma pessoa.

Aliás vida real é algo pelo qual toda a história passa bem longe. Quanto tempo levou essa saga? Um ano até chegar ao altar? Ou foi mais rápido que isso? Nesse romance perfeito tudo mudou muito rápido na vida desse casal apaixonado. Na vida real não acontece bem assim. A coisa acontece, as pessoas mudam, mas em geral leva mais tempo. Quando se encontra a pessoa certa, e existe paciência, muita paciência, sim. E algumas raras exceções não mudam. Não se iluda com esse lance de "o amor muda tudo".


Lição 3 | 50 tons é tipo um feed de instagram perfeito e surreal.

Conto de fadas não é vida real. O que mais ouço e leio ultimamente é sobre a vida perfeita que se expõe, para "motivar e inspirar" as pessoas, mas na verdade que acaba intoxicando todo mundo. Vive-se duas vidas: a do dia a dia e de 5 minutos (ou menos ou mais) que se expõe, e sempre é a melhor parte. Se olharmos a história 50 tons sob essa perspectiva, ele deprime os simples mortais. Ou causa uma sensação de viver nas nuvens, nos ares, nos navios chiques e apês maravilhosos, folga nas montanhas... quem pode viver um negócio desses? Eu me senti mal com tanta perfeição e riqueza que compra tudo.

Lição 4 | A história desperta fantasias.

Nem toda fantasia precisa virar realidade, pois se virar deixará de ser fantasia. E fantasias bizarras, que fiquem na bizarrice da imaginação. Esse lance de exaltar a "violência contra a mulher" no filme acho que está muito mal contado, porque o que a história faz é trazer a tona desejos reprimidos. Muitas coisas para os homens são super normais, naturais como depois da noite vem o dia, mas para as mulheres "é pecado, não pode, é coisa do capeta". Alguém, a sociedade, e elas mesmas se reprimem e deixam de ser o que querem ser pois precisam ser elegantes, discretas e recatadas. Essas repressões machistas que a história desenterrou assustou muitos. Especialmente aqueles que não entenderam da missa a metade.

Lição 5 | Com diálogo, sinceridade e confiança entre o casal tudo se resolve.

Essa é velha, já rolou por aqui em outras análises, mas está aí novamente. O começo foi o caos, a história só começou a desenrolar e caminhar para frente por conta disso - diálogo. Então, não é com as(os) amigas(os) que se resolvem as questões do casal, mas cara a cara, um com o outro, entre o casal. Ninguém tem nada a ver com isso, como diz o ditado em briga de marido e mulher ninguém mete a colher. Parodiando poderíamos dizer que em quarto de marido e mulher ninguém é convidado a dar pitaco. O consenso precisa existir entre o casal. Se for consensual, que mal há. Mas claro que mesmo entre quatro paredes nem tudo é lícito.

Lição 6 | O mundo está apelando para a sexualidade.

Tudo cada vez fica mais apelativo. Séries, minisséries, filmes, livros, textos, propagandas, pessoas... até este texto parece apelativo. Não, nesse caso não. Poucas pessoas conseguem ler as mensagens subliminares que estão por trás de muitas mensagens, muita coisa passa batido, parece normal. Não é uma trilogia de livros e filmes que fará as pessoas virarem a cabeça e se tornarem outras pessoas. Podem influenciar negativa ou positivamente, se não tiver a cabeça boa, mas é essencial abrir a cabeça. Nem tanto ao céu, nem tanto a terra, nem tanto a repressão, nem tanto a liberdade. Bom senso, tudo tem consequências. A questão não é discutir o que "é certo | é errado", "posso isso | não posso aquilo", mas é analisar o que acontece com a mente da criatura depois de mergulhar num mundo curioso e atraente, tido pela sociedade como fora dos padrões morais e éticos aceitáveis. Depois de tornar normal as "experiências extraordinárias", uma experiência normal nunca mais será aceitável ou fará algum efeito. Assim as pessoas deixam de ser "escravas da moral" para serem "escravas do instinto". Isso é um assunto sério e intenso demais para o ser humano para ser tratado com brincadeira, descaso, e normalidade.


Lição 7 | Algumas pessoas com "práticas obscuras" tem como pano de fundo histórico de passados que lhes perseguem.

O cara era cheio de traumas da infância, passou por um adolescência não muito "normal", obviamente se tornou um homem também "fora dos padrões", mesmo aparentando ser um "homem lindo, inteligente, rico e bem sucedido". Como pode alguém gostar de ver o outro sofrer, sentir prazer nisso, e ser considerado normal? Anastácia tinha toda razão de fugir. Conviver com segredos mal contados, é óbvio que mulher curiosa não se contenta enquanto não descobre tudo. Tudo, para realmente conseguir entender seu amor. Talvez esteja chovendo no molhado com essa sétima lição, mas as histórias cinematográficas que conhecemos, que não acontecem na vida real, retratam muito isso. Então, cuidado com o chão que pisamos. Podemos atolar na lama.

Lição 8 | Com apadrinhamento tudo fica mais fácil.

Ter contatos estratégicos sempre fazem você saltar mais fácil e rápido. Não que sua capacidade não seja considerada, mas ter alguém que já está lá em cima e te puxa pela mão é uma forcinha e tanto. Ajuda a pular etapas e encurtar trajetos. Uma salva de palmas aos padrinhos e às madrinhas! Gray foi um bom padrinho, entre outras coisas. Ah, o status financeiro também contou bastante.

Lição 9 | A vida normal é legal.

O que é normal, afinal? Não entrando nesses méritos, o cara tinha uma vida toda do "avesso", aparentemente "legal" para ele, enquanto que ela, uma vida sem muitas descobertas, de ingenuidade e pureza. Estava tudo bem. Ambos viraram suas vidas do avesso. No final das contas, seguiram como todos casais normais. Apaixonaram-se, passaram por dificuldades, casaram-se, tiveram filhos, cresceram, amadureceram, e assim segue a humanidade. O extraordinário parece interessante por um tempo, mas também enjoa - quanto se percebe o quão sem sentido é em sua essência. Depois caem na rotina normal de todos os amores. Então ser "normal" não é a coisa mais horrível que existe na face da terra. É mais tranquilo ter uma vida normal. Normal não quer dizer acomodada.

Lição 10 | 50 tons não é um convite a perversão.

Nada nem ninguém é tão hipnotizador de mentes que domina e consome seus neurônios do que você mesmo. Certas coisas estão no sangue, na natureza humana, no instinto, como é a desculpa de muitos. Elas afloram sob medida com um causo desses. Os puritanos irão difamar e achar defeito, os perversos não sofrerão efeito nenhum, pois já estão contaminados em sua essência até no último fio de cabelo. Os sensatos saberão ler, assistir e filtrar o que pode ter alguma serventia. Saberão dosar o que é ilusão e realidade. Entenderão que 99% é ficção. Pura ficção. Que na vida real é muito mais natural se ferrar do que viver em êxtase o tempo inteiro - as perseguições da vida não são resolvidas tão facilmente, sem deixar marcas e cicatrizes mais profundas. Que os livros são imaginação pura. E os filmes resumem a história sob outros ângulos, não tão imaginativos, e para quem não leu, que não queira comparar pois são 6 histórias totalmente diferentes.

Espero que ninguém me jogue pedras por escrever isso. Avaliei que não tenho nada a ganhar ou perder ao escrever coisa alguma, só gostaria que abríssemos mais a cabeça não para encher de minhoca, mas para observarmos o que estão tentando colocar dentro dela. Se for minhoca, vale avaliar se vale a pena. Não pediria para compartilhar, aliás, não conte pra ninguém que a Edel escreveu sobre 50 tons aqui no blog dela. Algo tão tudo... nada a ver.

11 de fevereiro de 2018

Tok 6 # Organize as Camisetas | Desafio 52 toks de organização e decor

Desafio 52 toks de organização e decor: um projeto para inspirar, num mix equilibrado de teoria e ação! 52 toks para você mudar a sua vida! Se está chegando no blog agora, não pegue o trem andando, confira o post introdutório a série que está em andamento desde 1º de janeiro de 2018, e vamos juntos nessa!

52 toks de organização e decor é para pessoas autodidatas, inteligentes e espertas, que sabem o preciso valor do tempo, que buscam qualidade de vida e tranquilidade em meio ao caos da correria diária e que reconhecem que só com a organização é que conseguirão fazer acontecer tudo isso e viver mais felizes! 

Tok 6 # Organize as Camisetas | Desafio 52 toks de organização e decor



TOK 5 # ORGANIZE AS CAMISETAS!

Se você é de casa por aqui deve lembrar que há pouco tempo já ensinei boas sacadas sobre como organizar camisetas no guarda-roupa. Mostrei um DIY para fazer gabaritos de EVA, as dobras básicas e no desafio dessa semana vamos atacar essas peças no guarda-roupa! Se não rolam camisetas nos seus looks está liberada (o), mas creio que é muito raro a pessoa (tipo eu) quase não usar mais camiseta! Primeira dica: se tiver espaço pendure as camisetas em cabides. Fica mais prático para manusear, pegar, guardar e não precisa dobrar. Segunda dica: se você é como a maioria das pessoas e não tem espaço precisa deixá-las em pilhas nas prateleiras ou em gavetas. No vídeo você confere dicas rápidas sobre a dobra básica. Se tiverem dúvidas sobre camisetas molinhas, aquelas esportivas, gavetas, aguardem os próximos desafios, que falaremos sobre elas! As de algodão até podem ficar nesse formato de dobra e enroladinhas na gaveta, embora não considere uma ideia muito prática, mas talvez para você funcione melhor assim. Analise o seu caso! Terceira dica: improvise um gabarito. Eis algumas ideias: revista, papel plastificado, EVA, pasta de elástico cortada, tábua de corte. Ele ajuda a manter a dobra padronizada, ou seja, a pilha no mesmo formato. Esta semana o desafio é esse! Espero que você esteja animada (o) e começando, devagar e sempre, a organizar sua casa e sua vida! Conte comigo!


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

GOSTOU DESTE CONTEÚDO? COMPARTILHE!